Homens-bomba eram hóspedes de hotel atacado na Indonésia

Atentado contra dois hotéis deixou oito mortos e outros 50 feridos em Jacarta, capital da Indonésia

Reuters,

17 de julho de 2009 | 14h05

JACARTA - As autoridades da Indonésia acreditam que os dois homens-bomba que realizaram o atentado terrorista coordenado nos hotéis JW Marriot e Ritz-Carlton em Jacarta, nesta sexta-feira, 17, estavam hospedados em um dos estabelecimentos há alguns dias, passando-se por visitantes para romper o esquema de segurança. O ataque deixou oito mortos, incluindo os dois suicidas, e feriu mais de 50 pessoas.

 

Veja também:

link Homens-bomba atacam hotéis na Indonésia e matam oito

mais imagens Fotos: veja imagens dos ataques em Jacarta

video Vídeo: câmera flagram uma das explosões em imagens da Reuters

 

A polícia afirmou que os explosivos do Marriott foram plantados por pessoas que haviam se hospedado ali e provavelmente armaram a bomba em seu quarto. "O quarto 1808 tinha se tornado o posto deles desde o dia 15", disse o chefe da Polícia Nacional, general Bambang Hendarso Danuri, em entrevista à imprensa.

 

O ataque nos dois hotéis de luxo da capital indonésia ocorreu por volta das 8 horas (0h no horário de Brasília). Segundo a polícia, a primeira explosão aconteceu no Marriot e, dez minutos depois, o Ritz-Carlton sofreu o ataque. Ambas as explosões atingiram os restaurantes dos hotéis. Os hotéis, ligados por um túnel subterrâneo, eram frequentados majoritariamente por estrangeiros.

 

Entre as vítimas, cinco morreram no Ritz-Carlton uma no Marriot, além de cada um dos terroristas que promoveram o atentado. Entre os feridos haviam vários empresários estrangeiros. Segundo o Departamento de Estado dos EUA, oito deles eram americanos. Segundo a CNN, australianos também estão entre os feridos.

 

Segundo hóspedes, a primeira explosão fez o prédio do Marriot tremer. A segunda explosão, no Ritz-Carlton, atingiu o restaurante no segundo andar e quebrou as janelas do local. "A pior parte foi entrar no hall principal, onde o vidro da frente do hotel estava no chão misturado com sangue", disse um dos hóspedes, que afimrou que o prédio foi evacuado calmamente.

 

Fachada do hotel Ritz-Carlton, destruída pelo terrorista suicida. Foto: Reuters 

 

Outra bomba

 

Investigadores da polícia encontraram uma bomba que não explodiu no 18º andar do Marriot, onde vários suspeitos de estarem relacionados com os ataques estavam hospedados. Segundo os investigadores, os suicidas deram entrada de hospedagem na quarta-feira e deveriam deixar o hotel nesta sexta.

Uma das questões a ser investigada é como os atacantes conseguiram passar com explosivos e detonadores pelos controles de segurança que se acreditava serem os mais severos do país.

 

Segundo os invstigadores, os explosivos encontrados são do mesmo tipo dos encontrados em ataques promovidos pela Jemaah Islamiyah, um grupo terrorista ligado à Al-Qaeda e o principal suspeito dos ataques, culpado pela última investida no hotel Marriot, em 2003, quando um carro bomba deixou 12 pessoas mortas. Não houve, entretanto, nenhuma manifestação sobre a autoria do ataque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.