Honduras confirma morte de adolescente em confronto

O governo de facto de Honduras confirmou hoje a morte de um adolescente durante os distúrbios ocorridos após o retorno do presidente deposto Manuel Zelaya a Tegucigalpa. O toque de recolher instituído pelas autoridades não impediu a incidência de saques, confrontos entre manifestantes e policiais e atos de vandalismo na capital hondurenha.

AE-AP, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 16h55

O governo de facto atribuiu a violência aos simpatizantes de Zelaya, abrigado desde segunda-feira na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. "Há um clima de insegurança provocado pelos simpatizantes de Zelaya, que enfrentam a Polícia com o fim de semear o caos e a destruição, especialmente na capital, e que ignoram o toque de recolher vigente no país", disse hoje o porta-voz da secretária local de segurança pública, Orlin Cerrato.

De acordo com ele, a morte do adolescente ocorreu na noite de ontem. Ele foi baleado e faleceu depois de ser socorrido em um hospital público.

Durante esta quarta-feira, o governo de facto suspendeu temporariamente o toque de recolher vigente desde a tarde de segunda-feira, quando veio à tona a notícia de que Zelaya retornara a Honduras.

Mais cedo, o governo de facto hondurenho havia confirmado a detenção de 113 pessoas e um ferido a tiros nos distúrbios em Tegucigalpa. Não estava claro se a pessoa ferida seria o adolescente morto. Em entrevistas, Zelaya afirmou que havia seis de seus partidários mortos.

Os quatro aeroportos internacionais de Honduras continuam fechados pelo terceiro dia consecutivo.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasManuel Zelayaconflitomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.