Honduras: corpo de jornalista sequestrado é encontrado na capital

Desde 2003, já foram mortos 29 jornalistas em Honduras; nenhum caso esclarecido até o momento

Efe,

16 Maio 2012 | 03h48

TEGUCIGALPA - O corpo do jornalista hondurenho Alfredo Villatoro, sequestrado na semana passada em Tegucigalpa, capital de Honduras, apareceu nesta terça-feira, 15, no setor sul da cidade, informou a imprensa localm que citou o ministro da Segurança, Pompeyo Bonilla.

 

Os restos mortais de Villatoro estão no Instituto Médico Legal do Ministério Público, confirmou o porta-voz da Secretaria de Segurança, Héctor Iván Mejía, ao acrescentar que o cadáver do jornalista apresenta "dois disparos na cabeça". A ministra da Justiça e dos Direitos Humanos do país, Ana Pineda, disse à Agência Efe que o "lamentável assassinato de Villatoro é um ato definitivamente condenável".

 

"É insuportável a situação de violência vivida no país", ressaltou Pineda. O jornalista, de 47 anos e natural de La Lima, no norte de Honduras, foi sequestrado na madrugada do último dia 9 quando se dirigia à emissora "HRN", na qual trabalhou durante duas décadas e exercia o cargo de coordenador de noticiários.

 

O corpo foi encontrado no início da noite desta terça-feira, poucas horas depois de o presidente hondurenho, Porfirio Lobo, ter informado que havia provas de que o jornalista estava vivo. Desde 2003, já foram assassinados 29 jornalistas em Honduras, sem que nenhum caso tenha sido esclarecido, segundo a estatal Comissão de Direitos Humanos.

 

Honduras vive uma onda de violência que diariamente deixa uma média de 15 mortos. Em 2011, o país centro-americano registrou uma taxa anual de homicídios de 86,5 por cada 100 mil habitantes, o quádruplo da média latino-americana e dez vezes mais que a média mundial de 8,8 estabelecida pela Organização Mundial da Saúde em 2000.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.