Honduras demite diretor que barrou diplomata do Brasil

A presidência de Honduras confirmou ontem a destituição do diretor de Migração, general Nelson Willy Mejía, por ter impedido a entrada no país da vice-cônsul do Brasil, Francisca Francinete de Melo, na sexta-feira. Ela foi barrada por ter o visto recusado durante o governo de facto de Roberto Micheletti.

AE, Agencia Estado

31 de janeiro de 2010 | 08h56

Segundo o chanceler brasileiro, Celso Amorim, o incidente foi um "mal-entendido". "É um problema superado, um resquício do regime que já terminou", disse.

Para Amorim, o episódio não piora a relação com o novo governo hondurenho: "Pelo contrário. Houve a preocupação do atual presidente em resolver a questão imediatamente." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.