'Hora de negociar já passou', diz ativista símbolo dos protestos no Egito

Wael Ghonim, executivo do Google libertado na segunda, se diz disposto a morrer para mudar o país

estadão.com.br

09 de fevereiro de 2011 | 16h59

 

CAIRO - Wael Ghonim, executivo do Google e ativista que virou herói nos protestos do Egito, disse nesta quarta-feira, 9, em entrevista ao canal americano CNN, que "já não é mais tempo de negociar" com o governo egípcio e que ele está "pronto para morrer" para levar mudanças ao país.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

 

Ghonim, que foi preso no início dos protestos em favor da queda do presidente Hosni Mubarak e foi libertado na segunda-feira, é considerado uma das principais figuras por trás das manifestações. Ele é o administrador da página do Facebook que convocou os egípcios a tomar as ruas do Cairo e de outras cidades para protestar contra o governo.

 

Na entrevista, Ghonim disse que "muito sangue já foi derramado" e fez novos apelos às autoridades egípcias. "Se vocês são egípcios de verdade, se são heroicos, é hora de deixar o poder", disse.

 

"Fomos às ruas no dia 25 de janeiro, queríamos negociar com o governo. Eles quiseram negociar com balas de borracha, cassetetes, gás lacrimogêneo e com a prisão de cerca de 500 pessoas. Entendemos a mensagem, e agora que tornamos tudo bem grande, eles estão nos ouvindo", disse o ativista.

 

Ghonim reconheceu que Mubarak, que está há 30 anos no poder, "fez muitos sacrifícios" pelo Egito, mas disse que o sistema do presidente de 82 anos deve ser substituído. O ativista ainda pediu a dissolução do Partido Nacional Democrático - legenda de Mubarak.

 

Apesar de ter se tornado uma das faces mais conhecidas nos protestos, Ghonim se diz desconfortável sobre ser considerado um herói. "Isso não é por minha causa", disse, completando que a luta é do povo egípcio.

 

Os protestos populares do Egito entraram em seu 16º dia consecutivo, entre momentos de tensão e tranquilidade. Os manifestantes seguem na Praça Tahrir, no centro do Cairo, e dizem que só deixarão a área quando Mubarak renunciar.

 

Leia mais:

link

Casa Branca pede que Egito 'faça mais' pelos manifestantes

linkChanceler egípcio rejeita conselhos de Biden

linkPolícia mata cinco em protesto em cidade no deserto

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoGhonimMubarakprotestosCairo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.