Hosni atribui derrota na Unesco a 'grupo de judeus'

O ministro da Cultura do Egito, Farouk Hosni, culpou uma conspiração "criada em Nova York" pelos judeus para evitar que ele se tornasse o secretário-geral da Unesco, a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) que cuida da cultura, ciência e educação. Ele foi derrotado ontem pela diplomata búlgara Irina Bokova numa apertada disputa pelo cargo. Ela ganhou apoio à medida que os delegados buscavam uma figura de consenso.

AE-AP, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 16h02

O Brasil apoiou o ministro egípcio, chegando até mesmo a preterir a pré-candidatura do engenheiro brasileiro Márcio Barbosa, atual secretário-geral adjunto da Unesco. O episódio gerou diversas críticas à diplomacia do País.

"Ficou claro no fim da competição que havia uma conspiração contra mim", declarou hoje Hosni. "Há um grupo de judeus que teve importante influência na eleição e para o qual o fato de o Egito assumir o cargo era uma séria ameaça", disse ele.

Por meses, Hosni foi considerado favorito. Porém seus críticos levantaram registros de censura cultural no Egito durante sua gestão e lembraram a ameaça feita por ele, no ano passado, de queimar livros israelenses. Ele pediu desculpas pela declaração.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçãoUnescoHosnyjudeus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.