Hospitais da Venezuela congelam preços por 3 semanas

Os hospitais particulares da Venezuela aceitaram congelar temporariamente seus preços, informaram autoridades locais nesta terça-feira. A medida faz parte dos esforços de Caracas para manter sob controle os custos dos serviços de saúde em um momento no qual o governo tenta conter a inflação, que gira em torno de 25% ao ano.

Agência Estado

16 de agosto de 2011 | 19h24

A ministra Venezuela da Saúde, Eugenia Sader, disse hoje que os hospitais privados concordaram com a manutenção dos preços atuais durante pelo menos três semanas. Ela enfatizou que se trata de uma medida temporária adotada enquanto os administradores dos hospitais debatem meios de reduzir custos.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, há anos acusa os hospitais particulares do país de negarem acesso a pessoas pobres e de classe média que não dispõem de planos de saúde ou não podem pagar pelos tratamentos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelahospitais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.