Hospitais no Nepal estão lotados e total de mortos passa de 2,5 mil

Hospitais no Nepal estão lotados e total de mortos passa de 2,5 mil

Funcionários do Katmandu Medical College carregavam pacientes para fora do prédio hospitalar em macas e sacos

O Estado de S. Paulo

26 de abril de 2015 | 14h17

KATMANDU - Médicos sobrecarregados moviam centenas de pacientes para as ruas da capital do Nepal neste domingo, enquanto tremores secundários sacudiam hospitais e edifícios já danificados pelo terremoto que devastou o Vale Katmandu e matou mais de 2.500 pessoas. Das vítimas, pelo menos 2.430 estavam no país nepalense, 18 no Monte Everest, 61 na índia e 12 na China e quatro em Bangladesh. 

Doentes e feridos deitavam-se em uma empoeirada rodovia fora do Katmandu Medical College, enquanto funcionários do hospital carregavam pacientes para fora do prédio em macas e sacos.

Os médicos montaram uma sala de operações dentro de uma tenda para onde levavam os mais críticos, após um tremor particularmente grande forçar as pessoas a correrem aterrorizadas para as ruas.

O tremor secundário, de magnitude 6,7, provocou mais avalanches no Himalaia depois do terremoto do sábado de magnitude 7,8 -- que desencadeou o pior desastre do Everest e foi o mais intenso desde 1934, quando 8.500 pessoas morreram.

No lado externo do Centro Nacional de Trauma em Katmandu, pacientes em cadeiras de rodas que estavam em tratamento antes do terremoto juntaram-se a centenas de feridos com membros fraturados e sujos de sangue, deitados dentro de barracas feitas com lençóis do hospital.

Agências de ajuda e autoridades disseram que a maioria dos hospitais estava sobrecarregada e com poucos suprimentos médicos.REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
TerremotoacidenteNepal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.