AP Photo/Andy Wong
AP Photo/Andy Wong

Hospital diz que câncer de dissidente chinês está nos estágios finais

Médicos alemão e americano visitaram Liu Xiaobo e aprovaram seu tratamento, mas pediram que ele fosse levado ao exterior

O Estado de S.Paulo

08 Julho 2017 | 19h09

PEQUIM - O hospital que trata o dissidente chinês e vencedor do prêmio Nobel da Paz, Liu Xiaobo, disse neste sábado, 8, que seu câncer estava nos estágios finais. Embora um médico alemão e um americano que o visitaram tenham aprovado seu tratamento, pediram que ele fosse levado para o exterior.

Liu, de 61 anos, foi preso por 11 anos em 2009 por "incitar a subversão do poder do Estado" depois que ajudou a escrever uma petição conhecida como "Carta 08", pedindo reformas políticas abrangentes.

Ele foi recentemente transferido da prisão para um hospital na cidade de Shenyang para ser tratado por um câncer de fígado em estágio avançado. O hospital disse ter convidado médicos dos EUA  e da Alemanha para ajudar com o tratamento de Liu.

Em uma breve declaração, o hospital disse que Joseph M. Herman, da Universidade do Texas, e Markus W Büchler, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, viram Liu com os especialistas chineses que o tratavam.

A equipe ouviu seu histórico médico, o relatório sobre seu tratamento, visitou Liu, conheceu seus parentes e depois discutiu sua doença, disse o hospital. "Os especialistas dos EUA e da Alemanha aprovaram o tratamento pelo grupo de especialistas nacionais e o que eles têm feito", afirmou.

O hospital disse também que Liu tem câncer de fígado em estágio avançado que se espalhou e estava em estágios finais, acrescentando que estava avaliando as opções médicas para melhorar suas chances de sobrevivência.

Cresceram os pedidos de grupos de direitos humanos, organismos internacionais e governos ocidentais para que a China permita que Liu viaje com sua mulher, Liu Xia, para ser tratado no exterior. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
China Liu Xiaobo câncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.