Hotel suíço pede a judeus que tomem uma ducha antes de entrar na piscina

Chancelaria suíça afirmou em um comunicado que destacou ao embaixador de Israel que a Suíça condena o racismo, o antissemitismo e qualquer discriminação

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 13h13

BERNA - Um hotel suíço fixou um cartaz que pedia aos clientes judeus que tomassem uma ducha antes de entrar na piscina, o que provocou uma grande polêmica em Israel, que exigiu desculpas oficiais.

O Aparthaus Paradies, na localidade de Arosa, nos Alpes suíços, recebe há vários anos muitos clientes, ultraortodoxos em particular, procedentes do Reino Unido, Estados Unidos e Israel, informou a imprensa suíça, que revelou o caso.

 

Mas a direção do estabelecimento, que ao que parece pretendia recordar as normas de higiene aos usuários da piscina, apontou especificamente contra os "clientes judeus" depois de receber reclamações a respeito de duas jovens judias que entraram na água sem passar pela ducha antes, informou o jornal The Times of Israel

"A nossos clientes judeus, mulheres, homens e crianças, pedimos que tomem uma ducha antes de nadar. Caso não respeitem a norma, seremos obrigados a fechar a piscina par vocês. Obrigado por sua compreensão", afirma o cartaz. 

Outro cartaz colocado no freezer do hotel também se dirigia exclusivamente aos hóspedes judeus, autorizados pela gerência a armazenar alimentos kosher. 

"Aos nossos clientes judeus: podem ter acesso ao freezer somente nos seguintes horários: 10h-11h e 16h30-17h30. Espero que compreendam que nossa equipe não gosta de ser incomodada o tempo todo". 

Um cliente fotografou os cartazes e compartilhou as imagens nas redes sociais, o que provocou uma grande revolta em Israel. A vice-ministra das Relações Exteriores, Tzipi Hotovely, exigiu desculpas oficiais por este "ato antissemita do pior tipo". 

A gerente do hotel, Ruth Thomann, afirmou ao jornal suíço Blick que os cartazes foram retirados e negou qualquer motivação antissemita. 

"Atualmente, temos muitos clientes judeus e percebi que alguns não tomam a ducha antes de nadar", disse.

"Como outros clientes pediram que fizesse algo, escrevi o cartaz, um pouco ingenuamente", admitiu.

"Teria sido melhor ter feito o pedido a todos os clientes do hotel". 

O ministério suíço das Relações Exteriores afirmou em um comunicado que destacou ao embaixador de Israel que a Suíça "condena o racismo, o antissemitismo e qualquer discriminação". 

O Centro Simon Wiesenthal, com sede em Los Angeles e que trabalha para preservar a memória do Holocausto, pediu à ministra suíça da Justiça, Simonetta Sommaruga, o "fechamento do hotel do ódio e sanções a sua administração". 

Também solicitou ao site de reservas Booking.com que retire o Aparthaus Paradies de sua relação e que a comunidade judaica inclua o estabelecimento em sua lista negra./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.