Houve oportunidade de evitar ataques de 11/9, diz relatório

A ?melhor chance de desvendar a trama de 11 de setembro? foi perdida porque as agências de espionagem dos EUA falharam em informar o FBI de San Diego de que dois homens eram suspeitos de terrorismo - dois que estariam entre os seqüestradores dos aviões usados nos atentados contra as Torres Gêmeas e o Pentágono, diz um relatório divulgado pelo Congresso americano. O relatório também diz que, em 11 de maio de 2001, o suposto mentor intelectual dos ataques, Khalid Shaikh Mohammed, foi identificado num informe de espionagem como estando em busca de recrutas para viajar aos EUA.O relatório levanta novas questões sobre a conexão saudita dos seqüestradores, dizendo que Omar al-Bayoumi, um estudante que financiou os terroristas, ?tinha acesso a recursos aparentemente ilimitados da Arábia Saudita?. A investigação de dez meses, conduzida pelos Comitês de Inteligência da Câmara e do Senado, determinou que as agências de espionagem dos EUA não tinham nenhuma prova definitiva que permitisse prever os ataques de 11 de setembro de 2001, mas também concluiu que muitas pistas foram ignoradas, informação deixou de ser compartilhada entre as agências e a possibilidade de um grande ataque terrorista em solo americano recebeu menos atenção do que deveria.Algumas conclusões genéricas da comissão já haviam sido divulgadas no final de 2002, mas a maioria dos detalhes permaneceu secreta. Depois de uma disputa conflituosa com as agências de inteligência sobre quais informações poderiam vir a público, uma versão de 800 páginas do relatório foi divulgada nesta quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.