HSBC diz que nome de Pinochet não consta como cliente

Um porta-voz do HSBC em Hong Kong, o bancoonde supostamente Augusto Pinochet depositou 9 toneladas de ouro,disse nesta quinta-feira à Efe que, após uma investigação preliminar, se chegou àconclusão de que não há nenhum cliente com esse nome nesta entidade. "Não aparece um cliente com esse nome", disse o porta-voz, que,no entanto, acrescentou que a investigação pode continuar se foremdescobertos novos elementos. O porta-voz da sede em Hong Kong de um dos maiores bancos domundo, com 9.500 escritórios em 76 países, esclareceu que o governodo Chile não entrou em contato com eles e que o banco começou ainvestigação por iniciativa própria após a divulgação de informaçõesneste sentido pela imprensa. "Teremos muito prazer em cooperar com o governo do Chile se fornecessário", afirmou. Fontes próximas aos setores bancários na ex-colônia britânicadisseram nesta quinta-feira que o HSBC estaria obrigado a abrir uma investigaçãose um juiz de Hong Kong receber uma comissão rogatória da Justiçachilena acompanhada de documentos probatórios. "Não existe conta bancária em nome de Augusto Pinochet e tambémnão há um depósito de tesouros, mas a investigação pode continuar setivermos novas evidências", reiterou o porta-voz do banco. "O governo chileno não entrou em contato conosco e soubemos pelaimprensa das acusações. Em uma primeira verificação, não encontramoscontas nesse nome", afirmou. Os jornais chilenos El Mercúrio e La Nación publicaram naquarta-feira que Pinochet tem depositados no HSBC 9 toneladas deouro em lingotes, em um valor calculado em US$ 160 milhões, o quequintuplica os US$ 26 milhões que, segundo a investigação judicial,o ex-ditador acumulou em suas cotas secretas no exterior. Embora a "informação ainda não seja oficial, merece ser levada emconta nos tribunais", afirmou o chanceler chileno, Alejandro Foxley.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.