HSBC:vítima de atentado quer que banco pague US$ 2,66 bi

Familiares de marines mortos em um atentado suicida em Beirute, em 1983, pediram a um tribunal federal dos EUA que obrigue o HSBC a pagar US$ 2,66 bilhões em um julgamento contra o Irã. Eles alegam que o banco deu informações enganosas sobre seus ativos iranianos. O movimento é parte do esforço para recuperar um julgamento federal contra o Irã, em 2007, por sua responsabilidade no ataque a um quartel da Marinha norte-americana, que matou 241 pessoas.

Agência Estado

29 de janeiro de 2013 | 00h06

Um grupo de 1.300 familiares e sobreviventes do atentado está processando o banco. A lei dos EUA permite que vítimas de terrorismo possam fazer valer um julgamento contra ativos de Estados patrocinadores do terrorismo. O grupo também busca reparação contra instituições financeiras internacionais que supostamente mantêm ativos iranianos.

Porta-voz do HSBC, Rob Sherman disse que o banco se recusou a comentar. Ultimamente, o HSBC tem estado sob fogo cruzado por falhas na fiscalização relacionada à suspeita de lavagem de dinheiro e outras transações financeiras ilícitas. Em dezembro, o banco pagou US$ 1,9 bilhão para encerrar acusações de que teria falhado na implementação de controles antilavagem de dinheiro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HSBCIrãTerrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.