''''Huckaburger'''' não ajuda Huckabee a atrair votos

Nem o hambúrguer nem as propostas do republicano agradam em New Hampshire, terra de libertários e pacifistas

Patrícia Campos Mello, O Estadao de S.Paulo

08 de janeiro de 2008 | 00h00

Concord, EUA - "Você acha que Jesus usaria armas nucleares?", perguntou o aposentado Gray Fitzgerald ao pré-candidato republicano Mike Huckabee, na entrada da lanchonete Barley House. Não era esse o tipo de recepção que o vencedor de Iowa esperava. Huckabee foi à Barley House para o lançamento do Huckaburger, sanduíche batizado em sua homenagem. A idéia era usar seu charme caipirão para ganhar votos, mesmo sem esperança de vencer a primária de hoje. Mas, aqui em New Hampshire, o eleitorado é bem diferente. Poucos são evangélicos como os que garantiram a Huckabee a surpreendente vitória em Iowa. Em New Hampshire, terra do "viva livre ou morra", quem manda são os libertários, os pacifistas e os independentes.Logo na entrada, o ex-governador do Arkansas foi ofuscado por dezenas de simpatizantes de Ron Paul, o azarão que é o único republicano a pregar a saída dos EUA do Iraque. "Estamos aqui porque o Ron Paul foi vetado do debate da Fox News, apesar de ter mais intenções de voto que Fred Thompson e outros", dizia o estudante Ben Siemens. O aposentado Dave Tiffany também não deixou barato. "Você concorda com John McCain,que não quer retirar os nossos soldados do Iraque?", gritou para Huckabee. Tiffany é figurinha carimbada nos eventos políticos da região - participou de 43 comícios desde julho. "Aqui em New Hampshire, não damos moleza para nenhum candidato", disse ele, que virou uma celebridade instantânea ao entrar em bate-boca com John McCain sobre a guerra do Iraque, no domingo. Ontem, Tiffany não foi à Barley House para experimentar o novo Huckaburger. Foi confrontar Huckabee sobre suas opiniões em relação à ciência - o pastor afirmou não acreditar na Teoria da Evolução - e seus planos para a guerra. Saiu sem receber uma resposta clara. "Ele desconversou", disse Tiffany. É claro que o fã-clube de Huckabee também estava presente, broches na lapela e cruz no peito. "Demorei muito para decidir, mas Huckabee é o único que compartilha minha fé", disse a aposentada Gail Girard, católica praticante, sete filhos, contra anticoncepcionais, contra aborto. "Gosto do McCain, mas não dá para votar numa pessoa que é a favor de pesquisa com células tronco." E Rudy Giuliani? "Ah, você e eu sabemos que ele é um católico fajuto, e ainda por cima adora ostentar seus três divórcios." Gail conseguir tirar uma foto abraçada com Huckabee. "Você é meu presidente!", disse ela, orgulhosa. No Barley House, poucos mostraram tanto entusiasmo. Talvez tenha sido a ausência de Chuck Norris e da vistosa mulher do ator, amuletos da campanha de Huckabee. Mas muita gente acha que a culpa foi mesmo do sanduíche. Das cerca de 200 pessoas que se amontoaram na lanchonete, só 4 pediram o Huckaburger. Aparentemente, a receita heterodoxa - hambúrguer de bisão, espinafre e picles frito - não conquistou muitos eleitores. "Nojento", disse um jornalista da rede ABC. "Não dá pra comer isso aí."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.