Hugo Chávez pede que Malásia evite o Ocidente

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pediu nesta terça-feira à Malásia para evitar os poderes do Ocidente. Chávez pediu que o governo malaio expanda seu potencial econômico, e ofereceu a Venezuela como destino para o azeite de palmeira e a tecnologia petroleira exportados pelo país."São acordos petroleiros, petroquímicos, e o ministro da Energia e do Petróleo [Rafael Ramírez], está reunido com o presidente da Petronas [estatal malaia]" para concluir os projetos, assegurou Chávez. No segundo dia de sua visita oficial, Chávez afirmou que a solução para as nações subdesenvolvidas não estava no norte - fazendo alusão aos Estados Unidos - mas sim no trabalho conjunto destes países, sem imposições. Chávez qualificou Malásia e Venezuela como países "irmãos". Encarregados das companhias petroleiras dos dois países reuniram-se nesta terça-feira, segundo Chávez, para definir acordos que serão assinados em dezembro, quando o primeiro ministro malaio, Abdullah Ahmad Badawi, vai visitar a Venezuela. Na manhã desta terça-feira, Chávez visitou uma indústria produtora de azeite de palmeira nas redondezas da capital, Kuala Lampur. A Malásia é o principal exportador mundial do produto e a idéia do presidente venezuelano é desenvolver uma indústria do setor no país, que conta com o mesmo clima tropical da nação asiática."A Venezuela poderia dedicar até 10 mil hectares para a plantação de palmeiras e para isso queremos contar com a tecnologia da Malásia", afirmou o presidente.Entrada no Conselho de SegurançaChávez foi recebido com honras no Parlamento da Malásia na manhã desta segunda-feira e anunciou que o governo do país asiático apóia a tentativa da Venezuela para obter um assento não permanente no Conselho de Segurança da ONU.O apoio foi oferecido pelo governo malaio "em uma mensagem oficial", afirmou Chávez à emissora de televisão da Venezuela. O anúncio foi feito depois de Chávez chegar da China, outro país que apoiou o governo de Caracas para conseguir um assento no Conselho de Segurança. A Rússia também informou que dará apoio à Venezuela. O governo dos Estados Unidos, em alerta sobre os laços de Chávez com países como Irã e Coréia do Norte, tentou bloquear a entrada da Venezuela no Conselho de Segurança, apoiando a Guatemala.Investimentos em Petróleo A visita ao país foi qualificada como "extraordinária" por Hugo Chávez, já que impulsionou o desenvolvimento de seu país, pois na viagem foram acertados importantes projetos de cooperação em matéria energética.Nesta terça-feira, Chávez participou de um fórum de empresários malaios e os incentivou a intervir na Venezuela em setores energéticos, de infra-estrutura e tecnologia, entre outros, e propôs cooperação na área petroleira."Nos últimos onze trimestres tivemos um crescimento médio de 12,6% no PIB venezuelano, algo que não tinha acontecido no país e uma ou outra vez na América Latina", afirmou Chávez para os empresários."A Venezuela está passando de um modelo monoprodutor petroleiro para um diversificado", afirmou, se referindo ao crescimento da infra-estrutura e das telecomunicações, setores que, junto com o energético e do azeite de palmeira, são considerados os principais para receber investimento malaio.Chávez anunciou que em setembro os ministros do Exterior, do Petróleo, do Comércio e da Habitação vão voltar ao país asiático para "dar forma" aos projetos com a intenção de firmá-los até dezembro.O país sul-americano tem a maior reserva de petróleo do planeta, em torno de 300 milhões de barris, segundo o presidente que, por isso, propôs a criação de empresas mistas para a extração de petróleo venezuelano. Mesmo que o país asiático se auto-abasteça, não possui reservas suficientes. A intenção de Chávez é que em dezembro, quando o primeiro-ministro malaio estiver na Venezuela, "seja possível explorar o primeiro poço da Petronas", afirmou. Ele calculou que os pagamentos pelos investimentos no país podem ser feitos com 10 mil barris de petróleo por dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.