Hugo Chávez propõe "cone energético" para América do Sul

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, expressou neste sábado seu desejo de criar um "cone energético" para a América do Sul, o que fortalecerá "a integração da região". Chávez, que participou da posse de Michelle Bachelet como presidente do Chile, também anunciou seu propósito de desenvolver relações diplomáticas com o novo governo do país, enquanto confirmou sua admiração pela governante. "Há muitas coisas que podemos fazer juntos na luta contra a pobreza, por exemplo", disse Chávez. No evento, o governante venezuelano evitou o encontro com a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice. Ele disse que uma reunião com Rice não estava em sua agenda, mas afirmou que gostaria de se reunir com ela, "porque o cortês não tira o valente". Com relação a Bachelet, Chávez disse que leu todos os discursos da chilena. "Sei da coragem que tem, sei de seu amor por este povo, sei de onde vem, da prisão, do exílio e de seu pai torturado pela ditadura", declarou o governante. "Estamos diante de uma mulher extraordinária, que também reflete o novo tempo que surge na América Latina", disse o presidente da Venezuela, que participou de um almoço que Bachelet ofereceu aos governantes estrangeiros no palácio de Cerro Castillo, na cidade de Viña del Mar. "Tenho certeza de que as boas relações que mantivemos com o presidente Ricardo Lagos, com o Chile, com suas instituições e seu povo, vão se reforçar agora", afirmou. Nesse contexto, Chávez destacou a vontade da Venezuela de levar adiante a proposta de construir um cone energético na América do Sul, "que abasteça o Chile e outros países do continente com as reservas da Venezuela, da Bolívia e do Peru". "Há gás para o Chile e para toda a América do Sul por cerca de 200 anos, tenho certeza de que o faremos agora com a presidente Bachelet", declarou. "A única salvação que têm nossos povos é a integração plena", concluiu.

Agencia Estado,

11 Março 2006 | 19h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.