Humala defende combate à pobreza e à desigualdade

O presidente do Peru, Ollanta Humala, conclamou outros líderes mundiais a adotarem modelos de crescimento econômico capazes de combater a desigualdade sociais e a pobreza. Em seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, Humala argumento que, enquanto a desigualdade sociais estiver aumentando, será impossível erradicar a pobreza.

AE, Agência Estado

25 Setembro 2013 | 14h21

"O crescimento econômico é um meio, e não um fim. Uma ferramenta indispensável, mas não suficiente", declarou Humala. "Um Estado que não atenda à totalidade de sua população reproduz e exacerba a desigualdade. E enquanto houver tais níveis de desigualdade, não me cansarei de repetir, toda a política de luta contra a pobreza terá impacto relativo", prosseguiu ele. No século 21, enfatizou, "o Estado deve servir a todos, e não somente a uma minoria".

Humala também apresentou o Peru como um modelo na luta contra a pobreza e no cumprimento das Metas do Milênio da ONU. Segundo ele, mais da metade dos peruanos viviam na pobreza no ano 2000, quando foram lançadas as Metas do Milênio. "Hoje, um quarto de meus compatriotas ainda enfrenta essa situação." Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ONUHumaladiscurso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.