Humala pede calma aos peruanos após Bolsa registrar queda

Empresários pedem que futuro presidente nomeie sua equipe para tranquilizar investidores

Efe

07 de junho de 2011 | 14h14

Humala tentou tranquilizar peruanos com recados no Twitter

 

LIMA - O futuro presidente do Peru, Ollanta Humala, pediu calma aos seus compatriotas nesta terça-feira, 7, depois de um dia de quedas significativas na Bolsa de Valores do país, o que foi encarado como um reflexo da sua vitória nas eleições de domingo.

 

Veja também:

blog No blog: Gabeira comenta os efeitos na economia
video TV Estadão: Gabeira analisa a disputa
especialQuem é quem: O raio-X dos presidenciáveis

 

Humala falou brevemente com jornalistas que o esperavam em frente à sua casa, em Lima, e disse que está fazendo "o melhor" para o Peru e que tem que continuar trabalhando para concretizar esses objetivos. Ele, porém, não falou sobre nomeações de seu gabinete, o que é reivindicado por grupos empresariais para frear a incerteza sobre o futuro econômico peruano.

 

Em seu perfil no Twitter, Humala disse na segunda que convocará "os melhores quadros técnicos e intelectuais para fazer um governo com uma base ampla e do qual ninguém será excluído". "Meu compromisso com o povo é o crescimento econômico com a inclusão social. Promoveremos as políticas sociais que prometemos", publicou o futuro presidente.

 

Na segunda, a Bolsa de Valores de Lima registrou queda de 12,45% por conta da quase certa vitória de Humala. O nacionalista venceu Keiko Fujimori na disputa pela presidência do país sul-americano.

 

Humala, de 48 anos, gera temores no mercado dos investidores por sua postura radical contra o modelo de livre mercado adotado no Peru nos últimos anos, o que tem conferido ao país uma das maiores taxas de crescimento entre os países latino-americanos. Durante a campanha, porém, ele moderou seu discurso e prometeu consolidar o ritmo de desenvolvimento, mas dando ênfase a políticas sociais.

 

Veja também:

linkVitória de Humala lança incerteza sobre futuro peruano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.