Christiah Bruna / AP
Christiah Bruna / AP

Hungria propõe sistema de cotas globais para fluxo de imigrantes na Europa

Chanceler diz que países responsáveis pela turbulência no Oriente Médio deveriam ajudar mais

O Estado de S. Paulo

29 Setembro 2015 | 19h01

BUDAPESTE - O ministro de Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, propôs nesta terça-feira um sistema de cotas globais para os imigrantes que estão entrando na Europa, sugerindo que os países responsáveis pela turbulência no Oriente Médio deveriam ajudar mais. O ministro vai defender a ideia em um próximo encontro durante a cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU).

A própria Hungria vem sendo criticada por outros países da União Europeia por se opor à cota entre os países do bloco. Szijjarto afirma que faz sentido instituir uma cota global para aqueles que fogem das regiões em conflito, pois assim os países que são parcialmente responsáveis pelas tensões também lidarão com o influxo de imigrantes.

As pessoas estão fugindo de "países que se tornaram instáveis por causa de decisões políticas internacionais...tomadas não apenas pela Europa, mas outras grandes nações", ele afirmou. "Pelo menos parte dos imigrantes deve ser retirada da Europa", declarou o ministro.

Os comentários de Szijjarto parecem aludir, ao menos em parte, aos Estados Unidos, sugerindo que suas políticas no Oriente Médio criaram as condições para a ascensão do extremismo islâmico que atinge partes da região e do Norte da África.

Ele afirmou que a proposta da Hungria será levada a uma reunião na quarta-feira com ministros sobre a questão dos refugiados e da imigração, comandada pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. / Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.