Ícone da luta pelo aborto muda de lado

Norma McCorvey tinha 21 anos quando engravidou pela terceira vez. O primeiro filho havia nascido em 1965. O segundo, ela deu para adoção. O salário mal dava para se sustentar. Ela optou por um aborto ilegal em Dallas, mas as clínicas haviam sido fechadas. Então, sob pseudônimo de Jane Roe, recorreu às advogadas Linda Coffee e Sarah Weddington para obter um aborto legal. O caso levou três anos para chegar à Suprema Corte - depois do nascimento, o bebê também foi entregue à adoção. Após a decisão favorável do tribunal, em 1973, Jane Roe tornou-se heroína das americanas. No entanto, em 1994, após se converter ao protestantismo, ela se disse arrependida e passou a lutar ao lado de grupos que defendem a proibição do aborto. / C.D.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.