Ícones Luther King e JFK inspiram candidato

Há exatos 45 anos, o reverendo Martin Luther King eletrizou 200 mil pessoas em Washington com seu discurso I have a dream, pregando a justiça e a igualdade em plena era de segregação racial nos EUA. Barack Obama tinha 2 anos quando King, em 1963, afirmou: "Sonho que algum dia essa nação se levantará e experimentará o verdadeiro significado de sua crença. Consideramos que essas verdades são evidentes: todos os homens foram criados iguais."Agora, Obama, primeiro negro a ser o candidato a presidência de um grande partido, tenta traduzir em palavras todo o peso histórico de sua candidatura - e haja expectativa. Obama precisa honrar o legado de Martin Luther King, mas ao mesmo tempo tem de tornar sua retórica grandiosa um pouco mais prosaica, para se comunicar com os eleitores de classe média baixa. O local escolhido para o discurso - o Estádio Invesco, que comporta 75 mil pessoas - contradiz um pouco a tentativa da campanha de se tornar mais prosa e menos poesia. Mas a escolha está cheia de simbolismo: o último candidato a aceitar a indicação em um estádio foi John F. Kennedy, em 1960. Não por acaso, a campanha de Obama gosta de compará-lo a esses dois ícones, King e Kennedy.Dois filhos de Luther King, Bernice e Martin Luther King III, falaram ontem à noite, antes do discurso do Obama, além do Al GoreEm sua participação-surpresa na quarta-feira, após o discurso do vice em sua chapa, Joe Biden, Obama tentou explicar a escolha do estádio: "Nós vamos para o estádio amanhã (ontem) e quero que vocês saibam o porquê: queremos que todas as pessoas que queiram vir possam juntar-se aos nossos esforços para recuperar a América." O palco foi projetado pelo grupo de cenógrafos da cantora Britney Spears - que é estrela do anúncio em que os republicanos acusam Obama de ser uma celebridade vazia. E Obama falou emoldurado por colunas gregas. Os republicanos não perdoaram: chamam o palco de "Obamápolis", dizendo que mostra a arrogância de Obama, que se acha "Zeus". Democratas lembraram que o palco do discurso da indicação de George W. Bush também tinha colunas gregas.Obama, que freqüentemente cita trechos de Luther King, como a "feroz urgência do agora", inspirou-se nos ex-presidentes Bill Clinton, Ronald Reagan e JFK para escrever o discurso de ontem, que foi revisado por vários de seus "escritores de discursos".A procura por ingressos foi tanta, que mais de 30 mil pessoas ficaram na fila de espera. Os ingressos foram distribuídos gratuitamente pela campanha para 40 mil moradores do Colorado e o restante para delegados, familiares, partidários e jornalistas. Cambistas vendiam os ingressos por até US$ 1 mil ontem. O cantor Stevie Wonder, o rapper Will.i.am, autor do hit Yes, you can, que se transformou no hino de Obama no YouTube, e a cantora Sheryl Crowe se apresentaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.