Kevin Lamarque/ Reuters
Kevin Lamarque/ Reuters
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Idas e vindas de Trump

Haverá sofrimento na saúde e na economia, mas Trump não deverá ser responsabilizado

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2020 | 05h00

Quando o coronavírus chegou aos EUA, em janeiro, o presidente Donald Trump procurou tranquilizar a população: “Temos isso totalmente sob controle”, disse em 21 de janeiro. “Vai ficar tudo bem.” E continuou a repetir frases assim.

Leia Também

Uma guerra global

Uma guerra global

Em 31 de janeiro, Trump proibiu a entrada de estrangeiros vindos da China. Foi sua única medida de prevenção no início do surto nos EUA. O presidente Jair Bolsonaro o visitou em 8 de março, em seu balneário na Flórida, levando o vírus em sua delegação. As precauções na época eram inexistentes. 

Em 12 de março, Trump assegurou que o coronavírus estava “indo embora”. No dia seguinte, mudou de atitude e declarou emergência nacional, o que lhe permitiu reservar US$ 50 bilhões para a crise; baniu a entrada de cidadãos europeus e apoiou a proposta da oposição democrata de um pacote de US$ 8,3 bilhões.

Trump elogiou o papel da oposição (algo bem raro) e da imprensa (inédito). E se referiu a si mesmo como “um presidente em tempo de guerra”.

Dez dias mais tarde, no dia 24, Trump mudou o discurso novamente. Ele insinuou que acabaria com a quarentena, anunciando seu desejo de que a economia americana voltasse à atividade na Páscoa, que cai no dia 12.

Entretanto, no dia 29, o imunologista Anthony Fauci, um dos líderes da força-tarefa da Casa Branca, em entrevista à CNN, previu que as mortes nos EUA poderiam somar entre 100 mil e 200 mil. O número chegou a 7.077 na sexta-feira, quando houve 1.094 mortes, o maior número em um único dia. 

Fauci passa várias horas por dia com o vice-presidente Mike Pence, e em torno de uma hora com o próprio Trump.

Diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas desde 1984, ele é um cientista respeitado, que teve um papel importante nas pesquisas sobre a aids nos anos 80.

No mesmo dia, Trump estendeu a quarentena por mais um mês. Avisou para o país esperar “duas semanas muito

dolorosas”, “infernais”, e declarou: “Nossa força será testada”. 

O foco do presidente na questão da saúde se torna ainda mais significativo porque paralelamente a economia está sofrendo um verdadeiro crash. Nas duas últimas semanas, 10 milhões de trabalhadores americanos foram demitidos. É o fim abrupto de 12 anos e 8 meses de crescimento econômico ininterrupto, e de um longo período de desemprego abaixo de 4%.

Além dos conselhos de seus assessores de saúde, pesou na manutenção das medidas as várias pesquisas que mostram que o eleitorado americano apoia a face mais dura do presidente no combate ao coronavírus. A população entende o impacto econômico como um mal menor, diante da ameaça de hospitais lotados e de um grande número de doentes graves morrendo por falta de aparelhos respiratórios. E que não é hora de olhar para índices econômicos, mas de salvar vidas.

A popularidade de Trump subiu 8 pontos porcentuais de fevereiro a março, chegando a 49%. É uma marca favorável, para um presidente no último ano de mandato. Mesmo tendo perdido o que considerava o seu grande trunfo nas eleições, o excelente desempenho da economia, Trump está longe da derrota. 

A covid-19 oferece uma justificativa para que ele esqueça os limites do déficit público e ofereça à população benefícios generosos. Mesmo assim haverá sofrimento, tanto na saúde quanto na economia, mas é possível que o presidente não seja responsabilizado por ele. 

Enquanto isso, a corrida presidencial está paralisada do lado democrata. Os dois pré-candidatos, Joe Biden e Bernie Sanders, estão tão apagados que o governador de Nova York, Andrew Cuomo, que concede dramáticas coletivas todos os dias, tem sido pressionado a se lançar à presidência pelo partido.

Por tudo isso, não é recomendável que um governante de outro país tente seguir os passos de Trump ao lidar com a pandemia. A realidade americana é muito específica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.