Identificados soldados alemães acusados de profanar cadáver

Os seis soldados alemães que supostamenteprofanaram um cadáver no Afeganistão foram identificados, anunciou o ministro de Defesa da Alemanha, Franz-Josef Jung, na redepública de televisão "ZDF". "Quatro deles não estão mais no Exército. Quanto aos dois restantes, tomaremos as devidas providências", disse o ministro. O escândalo começou com a publicação, na quarta-feira, pelo jornal "Bild", de cinco fotos tiradas em 2003 no Afeganistão. Nelas, um grupo desoldados aparece manipulando o crânio de um cadáver. Um deles faz um gesto de urinar em cima da caveira. A emissora pública de rádio"Deutschlandfunk" afirmou que um dos soldados confessou sua participação. O Parlamento alemão deve discutir nesta quinta-feira o caso, como parte do debate sobre as missões militares internacionais. O ministro daDefesa da Alemanha deve fazer uma declaração na Câmara Baixa sobre a política de segurança alemã e o futuro do Exército Federal. O general Bernhard Gertz, maior representante dos interesses dos militares alemães, comentou que, em conseqüência do escândalo, teme um perigoso aumento de atentados a soldados alemães no Afeganistão. "Este incidente pode lançar todo o mundo árabe e muçulmano contra nós", disse Gertz. "Os comandantes das forças presentes em paísesmuçulmanos deverão refletir sobre as reações que podem esperar", acrescentou. O caso provocou uma onda de indignação em todo o país e críticas de todos os partidos, a começar pela chanceler federal alemã, Angela Merkel. "Ela se comoveu com as imagens e pediu ao ministro da Defesa uma resposta clara e rápida sobre o caso imperdoável que mancha a reputação do Exército alemão e de nosso país", afirmouo vice-porta-voz do governo, Thomas Steg.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.