Idosa resgatada por neto de erupção morre no Equador

A idosa equatoriana Carmelina Merino, que foi salva por seu neto da lava do vulcão Tungurahua, na última quinta-feira, faleceu neste fim de semana em decorrência de ferimentos, confirmaram seus familiares."Foi tão grave a situação que, pela idade e a gravidade das lesões, ela não resistiu", disse uma familiar de Merino à emissora de TV "Ecuavisa" durante o funeral da idosa. Carmelina Merino conseguiu escapar com vida da população de Palitahua graças a seu neto Frank Baus, de 14 anos, que sofreu queimaduras em 90% do corpo ao resgatar a avó.Marcelo Baus, pai de Frank, relatou que pessoas que estavam perto do jovem gritaram para que ele salvasse sua própria vida e fugisse do fogo do vulcão, mas o adolescente se negou a deixar sua avó, afirmando que se fosse para morrer, morreriam os dois. Frank Baus está internado em um hospital onde requer diversos medicamentos, muitos com os preços elevados, segundo familiares e, por isso, solicitam ajuda para enfrentar a situação."Necessitamos de remédios diários durante três meses, pelo menos, no Equador, e nos aconselham que depois disto seria bom levar o meu filho para o exterior", disse Marcelo Baus. Até o momento, foram recuperados os restos mortais de três pessoas que faleceram em Palitahua, enquanto duas continuam desaparecidas, apesar do prefeito de Penipe, Juan Salazar, e da Defesa Civil os darem como mortos.O vulcão Tungurahua registrou uma forte atividade no dia 14 de julho, sendo que na quinta-feira passada apresentou a maior erupção dos últimos 120 anos, com a procedência de milhares de toneladas de cinza e lava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.