Hani Mohammed/AP
Hani Mohammed/AP

Iêmen cancela desfile militar após ataque que matou 96 soldados

Cerimônia 'simbólica' será realizada na capital do país, Sanaa, com participação do presidente Abdrabuh Mansur Hadi

AE, Agência Estado

22 Maio 2012 | 10h51

SANAA, IÊMEN - Os militares do Iêmen cancelaram um desfile programado para esta terça-feira, 22, a fim de marcar a reunificação do país, após um ataque suicida no dia anterior, assumido pela Al-Qaeda, matar 96 soldados e deixar 300 feridos. Apenas uma cerimônia "simbólica" vai ser realizada no Colégio de Aviação e Defesa na capital do país, Sanaa, com a participação do presidente Abdrabuh Mansur Hadi, que prometeu combater o "terrorismo independentemente dos sacrifícios".

Veja também:

linkAl-Qaeda assume atentado no Iêmen e o classifica como resposta aos EUA

video Atentado mata ao menos 96 soldados no Iêmen

O suicida detonou os explosivos minutos antes da chegada do ministro da Defesa, major-general Mohammed Nasser Ahmed, e do Chefe do Estado-Maior, que deveriam saudar as tropas. O exercício era um ensaio para a parada de celebração do Dia Nacional do Iêmen.

A Al-Qaeda na Península Arábica assumiu a autoria do ataque e disse que a ação foi uma vingança contra a ofensiva militar do exército iemenita, que nos últimos dias retomou várias cidades no sul do país que estavam sob controle dos extremistas.

Prisão - As autoridades do Iêmen prenderam dois homens que escondiam explosivos embaixo do uniforme militar horas após o ataque na segunda-feira, disse uma fonte. Os dois homens, "vestindo explosivos de 13 quilos", foram detidos em Sanaa logo depois do atentado. "Eles planejavam realizar mais ataques", afirmou a fonte.

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Iêmen ataque desfile militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.