Iêmen declara toque de recolher após conflitos

A Suprema Comissão de Segurança do Iêmen impôs um toque de recolher noturno em áreas conflituosas da capital do país, Sanaa, neste sábado, após rebeldes shiitas tomarem o prédio da emissora estatal de televisão. A medida atinge as regiões norte e oeste da capital e vai vigorar por tempo indeterminado.

AE, Estadão Conteúdo

20 de setembro de 2014 | 18h13

Há dias os rebeldes shiitas conhecidos como Hawthis enfrentam milícias sunitas associadas com o partido Islah, do grupo Irmandade Muçulmana. Os conflitos já deixaram mais de 140 mortos e forçaram milhares a saírem de suas casas.

Neste sábado, o enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) para o país, Jamal Benomar, anunciou um acordo que poderia acabar com a onda de violência. "Um acordo foi atingido após intensas negociações com todos os partidos políticos para resolver a crise atual", disse ele em um comunicado publicado na sua página na rede social Facebook. Segundo ele, os detalhes para a assinatura definitiva do acordo estão sendo finalizados.

Benomar tem realizado reuniões com os rebeldes Hawthi, cuja principal base fica na cidade de Saada, no norte do país, e o presidente iemenita, Abed Raboo Mansour Hadi. Pouco menos da metade da população do Iêmen é shiita, mas a maioria é do ramo Zaydi, muito próximo dos sunitas.

Os conflitos neste sábado se concentram na estrada para o aeroporto internacional e perto de uma grande base militar, além do prédio da TV estatal e dois campi de duas universidades, nas regiões norte e oeste da capital. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.