Iêmen nega que Saleh permanecerá na Arábia Saudita

Sauditas dizem que presidente iemenita não voltará ao país; ministro promete retorno do líder nos próximos dias

AFP e AP, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2011 | 00h00

Representantes do governo iemenita negaram ontem as informações de autoridades sauditas, segundo as quais o presidente Ali Abdullah Saleh não retornará ao Iêmen para reassumir o cargo. Saleh está internado há mais de duas semanas num hospital da capital saudita, Riad, depois de um ataque à mesquita anexa ao complexo presidencial.

Não há informações precisas sobre o estado de saúde de Saleh, que teria passado por cirurgias e não tem prazo para receber liberação médica. O vice-ministro de Informação do Iêmen, Abdu al-Janadi, descartou a possibilidade de o presidente não reassumir o cargo e afirmou que Saleh deve retornar ao país "nos próximos dias", sem especificar uma data.

Saleh não apareceu em público desde o ataque, no início do mês.

Ontem, milhares de iemenitas saíram às ruas para pressionar pela rápida nomeação de um conselho interino que substitua o governo de Saleh.

Os manifestantes pediram ainda que o rei saudita, Abdullah, não permita a volta do presidente ao Iêmen.

Também ocorreram protestos em Taez, segunda maior cidade do Iêmen, em Áden, Ebb, Hudayda e Mukalla, segundo testemunhas.

Em Taez, manifestantes promoveram ontem, dia sagrado dos muçulmanos, orações e uma manifestação na Praça da Liberdade pela primeira vez desde que o local foi tomado por forças de segurança, no dia 29 - numa ofensiva para reprimir as manifestações que, segundo a ONU, deixaram mais de 50 mortos.

Saleh está no poder desde a unificação do país, em 1990. Antes, de 1978 a 1990, ele governou, ininterruptamente, o Iêmen do Norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.