Iêmen prende 30 suspeitos após ataque à embaixada dos EUA

Atentado assumido por grupo ligado à Al-Qaeda matou 17 pessoas; terroristas ameaçam outros atos

Reuters,

18 de setembro de 2008 | 16h15

As autoridades do Iêmen prenderam 30 suspeitos de envolvimento com a Al-Qaeda, depois de um ataque à embaixada norte-americana na capital do país, Sanaa, informou uma fonte de segurança nesta quinta-feira, 18. Dois carros-bomba deram início a uma série de explosões do lado de fora da embaixada norte-americana no Iêmen na quarta-feira, matando 17 pessoas, incluindo seis agressores.  Veja também:Grupo iemenita se diz ligado à Al-Qaeda e ameaça mais ataques O Departamento de Estado norte-americano disse que Susan el-Baneh, norte-americana de 18 anos, e seu marido iemenita foram mortos enquanto esperavam na fila, junto a familiares, para obter permissão para viajar para os Estados Unidos. Fora uma indiana que passava pelo local na hora das explosões, as demais vítimas são todas iemenitas.  Um grupo chamado Jihad Islâmica no Iêmen, que não tem relação com o grupo palestino de nome parecido, assumiu a autoria do ataque e ameaçou fazer o mesmo em outras embaixadas, como a da Grã-Bretanha, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, a não ser que o Iêmen liberte membros do grupo que estão na prisão.  "Nós, da Jihad Islâmica do Iêmen, pertencemos à organização Al-Qaeda e repetimos nossa exigência a (o presidente iemenita) Ali Abdullah Saleh para que liberte nossos irmãos dentro de 48 horas", disse um comunicado do grupo.  Uma fonte de segurança do Iêmen disse à Reuters que Washington mandará investigadores para ajudar o Iêmen a apurar o caso. Os responsáveis pelo ataque estavam disfarçados com uniformes militares. Seus carros pareciam os que as forças de segurança do Iêmen dirigem, segundo fontes de segurança.  O Departamento de Estado norte-americano disse na quarta-feira que os ataques têm "todos as marcas registradas" da Al-Qaeda, mas não concluiu ainda se o grupo foi mesmo o responsável. O porta-voz da embaixada norte-americana disse que seu prédio continuará de portas abertas, desmentindo uma reportagem da TV Al Jazeera, que havia dito que os Estados Unidos fechariam sua embaixada no Iêmen devido ao ataque.  As forças de segurança do Iêmen disseram que uma equipe antiterrorismo especial está comandando a defesa da embaixada norte-americana.  

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.