Iêmen prendeu 29 suspeitos de integrar Al-Qaeda

Rede terrorista atacaria instalações petrolíferas e diplomáticas no país; 30 supostos militantes foram mortos

Reuters,

28 de dezembro de 2009 | 11h49

As autoridades do Iêmen prenderam 29 suspeitos de integrar a rede terrorista Al-Qaeda desde que o grupo foi alvo de operações militares após os ataques a instalações petrolíferas e diplomáticas no país, informou nesta segunda-feira, 28, o chefe nacional de segurança, Ali Mohammad Al-Ansi.

 

Al-Ansi disse no site do Ministério da Defesa que a rede terrorista planejou atacar prédios do governo iemenita e a embaixada do Reino Unido em Sanaa. "Até agora, 29 pessoas foram presas e as autoridades ainda estão perseguindo os outros terroristas", disse por meio de comunicado.

 

Al-Ansi, porém, não comentou sobre a tentativa de detonação de um avião americano por parte de um nigeriano, o que colocou o Iêmen no centro das atenções. O nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, acusado por ser responsável pela tentativa de atentado, tem ligações com o Iêmen, onde a Al-Qaeda cresceu nos últimos anos.

 

Na última semana, as autoridades de Sanaa disseram ter matado mais de 30 membros da rede terrorista em ataques aéreos. Entre os mortos poderiam estar os dois principais líderes da Al-Qaeda da Península Arábica e um muçulmano americano ligado ao homem que matou 13 pessoas em uma base militar dos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
Al-QaedaIêmen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.