Iêmen terá comitê para dialogar com manifestantes

Presidente ordena criação do órgão e destaca equipe para discutir reformas econômicas no país

estadão.com.br

24 de fevereiro de 2011 | 20h55

SANAA - O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, ordenou nesta quinta-feira, 24, a formação de comitês para abrir o diálogo com os opositores que pedem o fim do regime autocrático no país há semanas, informou a imprensa estatal. Representantes do líder iemenita foram à televisão para fazer o comunicado.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Segundo a nota, o primeiro-ministro liderará o comitê, que terá cinco membros que "terão um diálogo construtivo e aberto com os jovens irmãos, incluindo os manifestantes, e ouvirão suas condições e visões". A oposição não se manifestou sobre a decisão do governo. Uma equipe do governo também discutirá soluções para os graves problemas econômicos que assolam o Iêmen, outras das razões que motivaram os protestos.

 

Os manifestantes pedem que Saleh deixe o cargo - ele governa desde 1978 - e reformas políticas, econômicas e sociais. Ao menos 13 pessoas morreram desde o início dos protestos, há quase um mês. A revolta iemenita é inspirada nos levantes da Tunísia e do Egito, onde as marchas derrubaram ditaduras que duravam décadas.

 

Saleh já anunciou que não concorrerá à reeleição em 2013 e afirmou que seu filho não assumirá a presidência do Parlamento, como antes havia dito. Mesmo assim, os protestos continuam na capital do país, Sanaa, e na cidade portuária de Áden, no sul. Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas nesta quinta com a explosão de uma granada em meio a uma manifestação.

 

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.