Iemenita preso teria sido o assassino de Daniel Pearl

Um suposto integrante da Al-Qaeda preso junto com o suposto organizador dos atentados de 11 de setembro, Ramzi Binalshibh, foi identificado como um dos assassinos do repórter do Wall Street Journal, Daniel Pearl, informou um oficial da polícia paquistanesa.A notícia seria a mais forte evidência até agora de uma conexão entre a Al-Qaeda e o seqüestro e assassinato de Pearl, mas pode complicar o caso do governo contra quatro homens já condenados pelo crime.O oficial da polícia, que exigiu anonimato, afirmou que a identificação foi feita por Fazal Karim, um dos três paquistaneses detidos mas não acusados no caso. Karim foi levado na sexta-feira para uma instalação da agência de inteligência do Paquistão onde 10 suspeitos, incluindo Binalshibh, estavam detidos, segundo o oficial. O grupo, iemenitas na maioria, foi preso em operações realizadas nos dias 10 e 11 de setembro.Karim identificou um dos iemenitas como integrante de um grupo de três árabes que assassinou Pearl três dias depois que ele tentou escapar, informou o oficial.O policial negou-se a dar o nome do suposto assassino de Pearl, mas disse que ele não estava entre os cinco suspeitos, incluindo Binalshibh, que foram entregues às autoridades dos EUA na segunda-feira e levados para outro país.Pearl, 38 anos, foi seqüestrado em 23 de janeiro em Karachi enquanto pesquisava ligações entre extremistas islâmicos paquistaneses e Richard C. Reid, que foi preso em dezembro num vôo de Paris para Miami com explosivos em seu calçado.Quatro militantes, entre eles o britânico Ahmed Omar Saeed Sheikh, foram condenados pelo crime em julho. Saeed foi sentenciado à morte por enforcamento e os outros três receberam pena de prisão perpétua. Todos os quatro apelaram da sentença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.