''''Ignorem Chávez'''', aconselha Baduel

Ex-chavista faz recomendação após líder venezuelano acusar Bogotá e EUA de planejar ação bélica contra Caracas

REUTERS, EFE e AFP, O Estadao de S.Paulo

27 de janeiro de 2008 | 00h00

O general Raúl Baduel, ex-ministro da Defesa da Venezuela, aconselhou ontem o governo da Colômbia a ignorar os ataques do presidente venezuelano, Hugo Chávez. O conselho foi dado um dia depois de o líder venezuelano acusar Bogotá de planejar, com os EUA, uma "agressão militar" contra Caracas. "Suplico que o povo colombiano ignore essa verborragia desrespeitosa, mantendo seu esforço para a paz", afirmou Baduel ao jornal colombiano El Tiempo.Baduel era um dos homens de confiança de Chávez, mas rompeu ele em 2007, após opor-se à reforma constitucional proposta pelo líder venezuelano. Hoje ele é uma das principais figuras da oposição. Segundo o general, a atitude combativa do presidente venezuelano em relação à Colômbia faz parte de uma estratégia para recuperar apoio interno. "Ele pretende incitar o nacionalismo desesperado", disse.Na sexta-feira, Chávez acusou o presidente colombiano, Álvaro Uribe, de planejar uma "provocação bélica" contra a Venezuela, com a ajuda de Washington. Ontem, o venezuelano retomou as acusações na cúpula da Alternativa Bolivariana das Américas (Alba), em Caracas. "Alerto o mundo: o império norte-americano está criando condições para começar um conflito armado entre a Colômbia e a Venezuela", afirmou. O chanceler colombiano, Fernando Araújo, preferiu não comentar tais declarações.As relações entre Bogotá e Caracas estão estremecidas desde novembro, quando Chávez congelou os laços diplomáticos em resposta à decisão de Uribe de suspender a mediação do venezuelano nas negociações com a guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). A tensão aumentou no início do mês, quando Chávez pediu para a Europa e os governos latino-americanos tirarem as Farc da lista de organizações terroristas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.