Igreja alemã quer faturar com produtos papais durante visita

O papa Bento 16 chega neste sábado à sua terra natal, o Estado da Baviera, no sul da Alemanha, onde deverá visitar um total de cinco cidades: além de Munique, estão em seu roteiro Altötting e Marktl, onde ele viveu e passou boa parte da infância, assim como Regensburg e Freising. Os custos da visita de seis dias estão estimados em 20 milhões de euros (cerca de R$ 54 milhões). Para poder reaver pelo menos parte do dinheiro, o bispado de Regensburg, responsável pela organização, criou uma verdadeira estratégia de marketing.O bispado tem os direitos exclusivos para o uso da insígnia e da foto do sumo pontífice, e contratou uma agência de merchandising para comercializar produtos papais.Entre os badulaques que serão vendidos durante a visita estão suvenires como velas, xícaras, chaveiros e uma camiseta com a foto de Bento 16. Uma garrafinha para água-benta e uma bandeira do Vaticano que pode ser fixada à janela do carro também estão sendo oferecidas.Símbolos da alegriaSe chover durante a visita, os fiéis podem se proteger com um guarda-chuva papal ou com um boné que traz o slogan: ?Quem crê nunca está só?.Os produtos podem ser comprados nos locais pelo qual o papa vai passar ou até encomendados pela internet, no site willkommen-benedikt.de (?bem-vindo, Bento?, em alemão).Segundo o bispo Gerhard Müller, responsável pelo marketing papal, a Igreja não quer vender meros suvenires, mas sim ?símbolos da alegria e da união? dos fiéis.Um porta-voz do bispado de Regensburg deixa claro que a comercialização tem seus limites: a imagem do papa não deve ser maculada por produtos indevidos. ?Não venderemos ursos de pelúcia ou almofadas com a imagem papal?, diz ele.Já a respeitada revista alemã Der Spiegel reagiu sarcasticamente: ?A estratégia da Igreja lembra o rigor com que a Fifa protegeu seus produtos licenciados durante a última Copa do Mundo?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.