Igreja brasileira quer ampliar acolhimento a imigrantes venezuelanos

Igreja brasileira quer ampliar acolhimento a imigrantes venezuelanos

Tema foi discutido na Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em Aparecida

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2019 | 18h37

SOROCABA – Com o agravamento da crise na Venezuela, a Igreja Católica brasileira quer ampliar o acolhimento a imigrantes venezuelanos que pedem abrigo oficial ou cruzam a fronteira e se refugiam no Brasil. O assunto foi abordado nesta quinta-feira, 2, durante o segundo dia da Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que se realiza em Aparecida, interior de São Paulo.

Durante o evento, o arcebispo de Aracaju e presidente da Caritas brasileira, dom João José da Costa, disse que as dioceses de outros Estados brasileiros estão sendo chamadas a desenvolver projetos de acolhida dos venezuelanos que estão em Roraima, Estado na fronteira com a Venezuela.

De acordo com o bispo de Roraima, dom Mário Antônio da Silva, a entrada de venezuelanos aumentou depois que o líder opositor Juan Guaidó  tentou derrubar o presidente  Nicolás Maduro e assumir o poder, na última terça-feira.

"Apesar da Operação Acolhida, do governo federal, relatos que chegam das paróquias de Pacaraima indicam que muitos venezuelanos estão procurando as igrejas. O Exército os traz, mas a acolhida das famílias que precisam de um lugar para ficar e de comida, isso depende dos paroquianos e da Igreja”, afirmou.

Segundo ele, os venezuelanos já representam mais 10% da população de Roraima. “É preciso distribuir essa população e dar acolhimento a ela, assim não fica pesado para ninguém.” Já o presidente da Caritas lembrou que a entidade ligada à CNBB desenvolve o projeto 'Caminhos da Solidariedade' para acolher os refugiados do país vizinho, em Roraima. 

Parte dos recursos arrecadados com a Campanha da Fraternidade de 2018 foram destinados à diocese para ações de acolhida. “Precisamos reproduzir essa boa ação em outras dioceses. Mais do que dar acolhida, é preciso um esforço para que sejam integrados em nossa sociedade”, disse dom João. Ele contou que Aracaju recebeu 27 venezuelanos e em todas as famílias já tem alguém trabalhando. “Cuidamos para que não fiquem dependentes apenas do trabalho social.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.