Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Johannes Eisele/Reuters
Johannes Eisele/Reuters

Igreja Católica alemã abre linha telefônica para denúncias de pedofilia

Denúncias de abusos cometidos entre anos 50 a 80 afetaram dois terços das dioceses alemãs

BBC Brasil, BBC

30 de março de 2010 | 06h15

BERLIM - A Igreja Católica na Alemanha lançou nesta terça-feira, 29, uma linha telefônica especial para a denúncia de casos de abusos sexuais realizados por padres. A linha será administrada a partir da cidade de Trier, no oeste do país e telefonemas serão atendidos por psicólogos e assistentes sociais.

O bispo de Trier, Stephan Ackermann, foi escolhido para lidar com qualquer alegação feita contra o clero. Na segunda-feira, Ackermann anunciou que 20 padres de sua diocese foram acusados de pedofilia desde a década de 50. Dez deles já morreram mas os outros estão sendo investigados. Ele disse ter ficado perplexo com as revelações e encorajou as vítimas a fazerem denúncias.

Centenas de pessoas no país vieram a público desde o início deste ano na Alemanha dizendo que sofreram abusos por parte de padres quando eram crianças, entre as décadas de 50 e 80.

O próprio papa Bento XVI foi alvo de acusações de não ter tomado providências em relação a um padre suspeito de cometer abusos quando era arcebispo de Munique. Joseph Ratzinger ocupou essa posição entre o final da década de 70 e o início dos anos 80.

Até agora o escândalo afetou dois terços das dioceses alemãs e o chefe da igreja católica da Alemanha pediu desculpas pelas acusações. Bento XVI, que também teve participação revelada no caso de abuso de um padre americano, prometeu lidar com as alegações rapidamente.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.