Igreja contesta "falsa ilusão" da escassez de padres

A Igreja Católica rejeitou a "falsa ilusão" de que haveria uma redução do número de padres em todo o mundo, alegando que suas fileiras aumentaram em algumas regiões e que menos seminaristas abandonam, atualmente, suas vocações. As estatísticas da Congregação para o Clero, que foram apresentadas durante uma entrevista coletiva, mostram que o número de sacerdotes católicos em 2001 estava em 405.067, ligeiramente maior que em 1961, quando havia 404.082 sacerdotes.No mesmo período, o número de católicos duplicou - para um bilhão em todo o mundo -, o que significa que a proporção de sacerdotes por fiéis decresceu enormemente. As estatísticas demonstram que em 1978 havia um sacerdote para um grupo de 1.800 católicos no mundo, enquanto que 2001 havia um para cada 2.619 fiéis.No entanto, funcionários do Vaticano disseram que a crescente expectativa de vida permite que os sacerdotes atendam por mais tempo a seus fiéis, e que há uma grande proporção de seminaristas que serão ordenados."Creio que a crise tomou nova forma, segundo a cultura, e temos esperança de que vai melhorar", disse o cardeal colombiano Darío Castrillón Hoyos, que preside a Congregação para o Clero. A avaliação otimista é apresentada em meio a um movimento que defende que o Vaticano deveria moderar seu requisito de celibato para os sacerdotes e prega a ordenação de mulheres, como formas de combater a suposta escassez de seminaristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.