Igreja da Grã-Bretanha protesta contra documentário que critica o papa

O primaz católico de Inglaterra e Gales,cardeal Comac Murphy-O´Connor, se queixou à "BBC" sobre um programa que acusa o papa Bento XVI de ter ocultado escândalos de pedofilia na Igreja. O cardeal se dirigiu, por carta, ao diretor-geral da emissora pública britânica para protestar por um documentário, divulgado na noite de domingo, segundo o qual, antes de ser eleito papa, ocardeal Joseph Ratzinger promoveu uma "conspiração do silêncio" em torno do tema. O arcebispo de Birmingham, Vincent Nichols,qualificou o programa de "totalmente enganoso", mas a "BBC" confirmou seu conteúdo. O documentário criticava um documento intitulado em latim de "Crimen Sollicitationis", escrito em 1962, que aparentemente dava instruções aos bispos sobre como reagir às acusações de abusode menores. Os autores do documentário da "BBC" pediram ao pai Tom Doyle, ex-advogado eclesiástico despedido do Vaticano por haver criticado sua gestão da crise, que interpretasse o documento. Doyle indicou que o documento convidava os bispos a encobrir oscasos de abusos sexuais, reforçando assim o controle do Vaticano em lugar de preocupar-se com as vítimas. Segundo os representantes da Igreja Católica, o documento não se referia diretamente aos abusos de menores, mas de modo mais geral aos abusos de confessionário. O arcebispo Nichols denunciou o programa por "falsear dois documentos vaticanos" e utilizá-los "de modo enganoso para vinculara pessoa do papa com os horríveis abusos de menores". Nichols disse que a montagem do documentário, que utiliza filmagens antigas e entrevistas sem data, induzia ao erro, e acrescentou que a "BBC" deveria estar envergonhada. Uma porta-voz da "BBC" disse que a direção da emissora responderá à carta do primaz e insistiu em que "a proteção dainfância é um assunto de máximo interesse público".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.