Igreja de Bush condena política de guerra dos EUA

A igreja da qual é devoto George W. Bush, presidente dos Estados Unidos, a Metodista Unida, criticou, nesta sexta-feira, abertamente, o esforço de guerra norte-americano, declarando que a "violência sob todas as suas formas e expressões é contrária aos propósitos de Deus para o mundo". A declaração dos bispos refere-se aos atentados de 11 de setembro e aos ataques de bioterrorismo, mas não oferece nenhuma justificativa para a resposta militar norte-americana. Três semanas atrás, o conselho de assuntos sociais da Igreja Metodista Unida argumentou que os terroristas precisam ser trazidos à Justiça, mas acrescentou que "a guerra não é o meio adequado de responder aos atos criminosos contra a humanidade" e que "as ações militares não vão acabar com o terrorismo". A Igreja Metodista Unida tem 8,4 milhões de fiéis nos Estados Unidos e mais de 1 milhão em outros 50 países. "A violência gera medo, desespero, desesperança e instabilidade. Queremos que a igreja seja uma comunidade de paz e Justiça", afirmaram os bispos. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.