Igreja de Dublin diz que padres abusaram de crianças

A arquidiocese católica de Dublin publicou nesta quarta-feira um relatório que afirma que 102 de seus padres - mais de 3.5% do total - são suspeitos de abuso sexual ou psicológico contra pelo menos 350 crianças desde 1940, a maior admissão até hoje na Irlanda. O escritório do arcebispo Diarmuid Martin anunciou que estava divulgando a conclusão de suas pesquisas antes da formação no fim deste mês de uma comissão apontada pelo governo para investigar a história e o tratamento dado a tais abusos na Irlanda. Esta nação predominantemente católica vem sendo sacudida por ondas de escândalos de abuso sexual cometidos por integrantes da Igreja desde 1994. O escritório explicou que o número era baseado numa revisão de dois anos de arquivos pessoais de mais de 2.800 padres que trabalharam na arquidiocese de Dublin, tanto como padres paroquiais quanto em ordens religiosas, nos últimos 66 anos. Segundo o relatório, oito padres trabalhando em Dublin foram condenados criminalmente por acusações de abuso, enquanto 32 padres foram processados por 105 vítimas exigindo indenização, o que custou à arquidiocese US$ 7 milhões. Mas o custo deve ser ainda maior já que 40 casos ainda estão sendo decididos, enquanto a arquidiocese identificou positivamente pelo menos 350 vítimas de abusos e "possivelmente outras 40 pessoas que podem ter sido abusadas mas que ainda não foi possível identificá-las ou encontrá-las".

Agencia Estado,

08 Março 2006 | 14h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.