Igreja declara-se flexível quanto a imposto na Itália

A Igreja Católica moderou sua posição e demonstrou alguma disposição de reavaliar seu status de isenção de impostos em um momento no qual muitos italianos criticam a Santa Sé pelo fato de suas vastas propriedades não estarem sujeitas à incidência de impostos.

AE, Agência Estado

10 de dezembro de 2011 | 19h03

As críticas ganharam ainda mais força depois que o novo primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, propôs a reinstituição de um imposto sobre propriedade válido para o imóvel principal e para a segunda casa como parte das medidas de austeridade sugeridas para controlar a imensa dívida da Itália.

Em um momento no qual exige-se sacrifícios dos italianos comuns, a Igreja Católica sente a pressão para fazer sua parte. Ontem, o cardeal Angelo Bagnasco, presidente da conferência de bispos da Itália, comentou que a Igreja estaria aberta a analisar o assunto e a remediar "abusos" que possam ter ocorrido. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
igrejaRomaVaticanocriseUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.