Todd Heisler/The New York Times
Todd Heisler/The New York Times

Igreja que foi palco de ataque no Texas amanhece cercada por policiais e detetives

Homem armado entrou disparando contra as pessoas que rezavam na Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, matando 26 e ferindo 20

O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2017 | 10h53

SUTHERLAND SPRINGS, EUA - É uma pequena igreja de paredes brancas, localizada em um bairro rural do Texas, e os fiéis a exibem com orgulho como se fosse uma espécie de coração da comunidade. Foi ali onde um homem armado entrou disparando contra as pessoas, matando ao menos 26 e ferindo 20.

+ Em visita à Ásia, Trump diz que ataque no Texas é questão de ‘saúde mental’ e não de armas

O pastor Frank Pomeroy tinha o hábito de publicar seus sermões no YouTube. O último foi postado na semana passada, um no qual explicava que se deve respeitar a vontade de Deus. Sua filha foi uma das vítimas do ataque a tiros no domingo.

+ Análise: Quando podemos chamar um ataque de terrorismo?

Nesta segunda-feira, 6, a Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, no Texas, estava cercada por policiais e detetives, locais e federais. Regina Rodríguez se aproximou do local horas depois da tragédia e abraçou uma vizinha.

O pai de Regina, Richard Rodríguez, de 51 anos, vai à igreja “todos os domingos”. Até agora, ela não conseguiu encontrá-lo, e teme pelo pior. “Acho que acabei de perder meu pai”, lamenta.

Nick Uhlig, de 34 anos, é membro da congregação, mas no domingo não foi à igreja. Sua prima Crystal Holcombe e os sogros, Karla e Bryan Holcombe, estavam entre os mortos. Crystal estava grávida de oito meses. “Alguém simplesmente entrou e começou a disparar”, afirmou cabisbaixo enquanto fumava um cigarro.

Henry Cuellar, um deputado democrata local, disse em um comunicado que o corpo de bombeiros local realizou diversos encontros para arrecadar dinheiro e “basicamente todos os moradores da área vieram apoiar os voluntários”.

“Os vizinhos de Sutherland Springs são um ótimo exemplo do bom caráter dos texanos e dos americanos”, destacou Cuellar. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.