Igrejas cristãs no Egito têm segurança reforçada após ataque

As autoridades egípcias reforçaram neste sábado a segurança das igrejas da minoria cristã copta após o ataque de sexta-feira em que uma pessoa morreu e outras cinco ficaram feridas na cidade mediterrânea de Alexandria. Segundo fontes policiais e testemunhas, desde as primeiras horas da manhã, dezenas de agentes das forças de segurança protegem as principais igrejas de Alexandria, situada a cerca de 200 quilômetros do Cairo e onde, nestes dias, os coptas celebram suas festividades. O ataque de sexta-feira contra três igrejas de Alexandria provocou grande tensão e foi seguido por manifestações de protesto de centenas de coptas que exigiram o aumento das medidas de segurança ao redor de seus templos e rejeitaram a versão oficial de que a agressão foi cometida por um "desequilibrado mental". Segundo essa versão, o suposto agressor, um muçulmano de 25 anos, foi detido depois que atacou com uma arma branca fiéis cristãos nas igrejas de Mar Girgis, Al Quedisin e Al Adra, no centro e no leste de Alexandria. A agressão foi condenada pelas principais autoridades da maioria muçulmana e pelo presidente do país, Hosni Mubarak, que afirmou que não tolerará tentativas de sabotagem à união nacional no Egito, segundo a imprensa local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.