Ike ganha força em direção ao Texas e sobe para a categoria 2

Meteorologistas afirmam que furacão deve chegar a categoria três ou quatro enquanto atravessa o Golfo

Agências internacionais,

10 de setembro de 2008 | 15h23

O furacão Ike ganhou intensidade nesta quarta-feira, 10,, ao subir para a categoria dois em seu caminho para o Estado do Texas, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC, em inglês) dos Estados Unidos. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, declarou situação de emergência no Texas e ordenou ajuda federal para apoiar as autoridades estaduais e locais em seus preparativos de resposta ao furacão, informou a Casa Branca.   No boletim divulgado às 15 horas, horário de Brasília, o ciclone estava a 410 km a oeste de Key West, na Flórida, e 640 quilômetros a sul-sudeste da foz do rio Mississippi. "Ike está se movendo na direção noroeste a 13 quilômetros por hora. Uma virada de volta para a trajetória oeste-noroeste, pelo centro do Golfo do México, é esperada para os próximos dois dias", diz o informe, disponível no site do NHC.   Está em vigor um aviso de tempestade tropical (passagem em 24 horas) do oeste de Key West até Dry Tortugas, no extremo sul do Estado da Flórida. A declaração de emergência no Texas encarrega ao Departamento de Segurança Nacional e à Agência Federal para a Gestão de Emergências (Fema, em inglês) a coordenação da ajuda e a assistência apropriada para iniciar as medidas de emergência necessárias. As ajudas de emergência, incluindo a assistência federal direta, serão custeadas em 75% pelos recursos federais.   O Texas colocou em alerta 7.500 membros da Guarda Nacional e preparou a desocupação de 1 milhão de pessoas do empobrecido Vale do Rio Grande, incluindo dezenas de milhares de imigrantes ilegais. O México já emitiu um alerta preventivo, enquanto Cuba tenta se recuperar da destruição provocada pelo segundo furacão que atingiu a ilha em menos de duas semanas e deixando quatro mortos.   Durante quase 48 horas, o ciclone atravessou a ilha cubana de leste a oeste com chuvas torrenciais e ventos que mataram pelo menos quatro pessoas e provocaram extensos danos materiais. Esta é a primeira vez em anos que um furacão causa mortes na ilha. O NHC acredita que o Ike voltará a ser um furacão de grande intensidade conforme atravessar as águas quentes do Golfo, possivelmente de categoria 3 ou 4 na escala Saffir-Simpson - que vai até 5 - antes de atingir a costa do Texas na noite de sexta-feira, segundo trajetória prevista.   O ciclone deixou ainda pelo menos 66 mortos durante a passagem pelo Haiti, e em Cuba obrigou a retirada de mais de um milhão de pessoas de áreas de risco, 10% dos 11,2 milhões de habitantes da ilha, segundo fontes oficiais. A capital, Havana, está sem eletricidade desde segunda-feira por conta dos cortes preventivos de energia, além de ter sofrido vários deslizamentos de terra.   A atual temporada de furacões do Atlântico, entre 1 de junho e 30 de novembro, já formou cinco ciclones. Os meteorologistas adiantaram que este seria um período muito ativo, com a possibilidade da formação de 14 a 18 tempestades tropicais, dentre as quais de sete a dez poderiam se transformar em furacões.   (Com Renato Martins, da Agência Estado)  

Tudo o que sabemos sobre:
furacãoIke

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.