Ikea pede desculpas por ter usado trabalho de presos

A varejista de móveis Ikea, uma das maiores do mundo e com sede na Suécia, pediu desculpas nesta sexta-feira por ter usado o trabalho de presos políticos e comuns na antiga Alemanha Oriental, durante a década de 1980, antes da queda do regime comunista. A admissão e o pedido de desculpas poderão levar a pedidos de indenizações de ex-presos ainda vivos. "Aquilo foi totalmente inaceitável. Nós expressamos o mais profundo arrependimento", disse Peter Betzel, chefe da Ikea na Alemanha. O regime comunista caiu na Alemanha oriental em 1989.

AE, Agência Estado

16 de novembro de 2012 | 20h57

O ex-preso Alexander Arnold, hoje com 51 anos, afirma que foi obrigado a montar cadeiras de escritório de graça para a Ikea, quando estava detido em Naumburg, na então República Democrática Alemã, no começo da década de 1980. Arnold disse que o governo comunista não só obrigava os presos a trabalhar, mas punia os que se recusavam, os quais eram confinados em uma solitária escura ou amarrados em camas durante dias.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.