Ilha quer vetar bandeira argentina

Os kelpers, habitantes das ilhas Malvinas, fizeram um pedido à Assembleia Legislativa em Stanley, capital do arquipélago, para proibir bandeiras argentinas na região. Eles também expressaram sua irritação com os veteranos de guerra argentinos e seus parentes que, ao passear pelas ilhas para visitar os campos de batalha da Guerra das Malvinas (1982), picham nos muros e colocam faixas com frases como "Malvinas Argentinas".

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2014 | 02h03

Os turistas argentinos costumam postar fotos das bandeiras e das pichações nas redes sociais. "Estamos cheios desse tipo de coisa", disse o conselheiro Gavin Short, um dos parlamentares da comunidade de 2 mil pessoas que residem nas ilhas.

A Argentina é extremamente impopular nas Ilhas Malvinas devido à invasão de 1982. Naquele ano, desembarcaram no local as tropas enviadas pelo ditador Leopoldo Fortunato Galtieri.

Os militares argentinos permaneceram 74 dias no arquipélago, até que foram expulsos pelas forças enviadas por Londres. Os argentinos deixaram nas praias das Malvinas mais de 15 mil minas explosivas plásticas que ainda não foram removidas.

Mais conteúdo sobre:
MalvinasArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.