Ilha vulcânica japonesa é atingida por série de tremores

Um forte terremoto e cerca de 20 abalos secundários foram registrados numa pequena ilha vulcânica ao sul de Tóquio nesta quarta-feira, ferindo levemente três pessoas, mas sem apresentar risco de tsunami.

Agência Estado

17 de abril de 2013 | 10h01

O tremor mais forte, de magnitude 6,2, foi registrado na costa da ilha de Miyake na noite desta quarta-feira (horário local), a uma profundidade de 20 quilômetros, informou a Agência Meteorológica do Japão. Cerca de 20 abalos mais fracos, metade os quais fortes o suficientes para serem sentidos pelas pessoas, foram registrados na área durante o dia.

A polícia de Tóquio disse que o terremoto mais forte deixou três pessoas levemente feridas. Um homem na faixa dos 40 anos sofreu cortes provocados por vidros quebrados e dois idosos sofrerem arranhões após caírem numa casa de repouso. O tremor de magnitude 6,2 também provocou a queda de um muro de concreto numa casa e vários deslizamentos em toda a ilha.

"Tivemos tremores moderados desde esta manhã e um, à noite, foi surpreendentemente forte. Alguns objetos caíram no chão", disse o funcionário público da vila de Miyake, Naonobu Hayakawa.

A Agência Meteorológica disse não ter detectado elevação significativa na atividade vulcânica e que não havia risco de um tsunami.

O vulcão, localizado a 180 quilômetros ao sul de Tóquio, entrou em erupção pela última vez em 2000, o que obrigou a retirada de todos os 3 mil moradores da ilha pelo período de cinco anos.

Um tremor de magnitude 5,8 foi registrado na noite desta quarta-feira na costa de Miyagi, região norte do Japão, sacudindo parte da área devastada pelo terremoto e tsunami de 2011. Não havia informações sobre ferimentos ou danos nessa região do país. Não foram registrados problemas nas usinas nucleares locais, nem mesmo em Fukushima Dai-ichi, segundo a agência de notícias Kyodo. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoterremotos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.