Ilhas reavivam rivalidade sino-japonesa

Ativistas chineses atracam em área sob disputa para 'pescar e fazer turismo' e desatam crise diplomática

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2012 | 03h03

Uma área de 7 quilômetros quadrados transferida por Taiwan ao Japão, em 1895, depois da vitória do país na 1.ª Guerra Sino-Japonesa, voltou a alimentar a rivalidade entre os dois países.

O governo de Pequim exigiu ontem a libertação "imediata e incondicional" pelo Japão de 14 ativistas pró-China presos depois de atracar em ilhas reivindicadas pelos países.

Os ativistas presos estavam em um barco que partiu de Hong Kong em direção às ilhas - conhecidas como Senkaku, em japonês, e Diaoyu, em chinês. Com o fim da 2ª Guerra, as ilhas passaram a ser administradas pelos EUA, que as transferiram para o Japão, em 1971.

Pequim sustenta ter soberania sobre o território, que também é reivindicado por Taiwan. O porta-voz dos ativistas chineses, David Ko, disse à Associated Press que a intenção do grupo era mostrar que as ilhas historicamente pertencem à China, o que daria aos cidadãos do país o direito de ir ao local livremente para "pescar e fazer turismo". Essa foi a primeira vez, desde 2004, que cidadãos não japoneses conseguiram desembarcar nas ilhas, que têm potenciais reservas de gás e estão entre Taiwan e o Japão.

O governo de Tóquio convocou o embaixador chinês para protestar contra o que viu como uma invasão. O Ministério das Relações Exteriores em Pequim anunciou que iria formalizar representação contra a prisão dos ativistas - que são da China continental, Hong Kong e Macau.

Países asiáticos sustentam que o Japão não se desculpou de maneira apropriada pelos danos provocados no período de expansão de seu império. Tóquio ocupou partes da China a partir do fim do século 19 e iniciou uma brutal colonização da Coreia do Sul, em 1910, que só chegou ao fim com sua rendição na 2.ª Guerra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.