AFP PHOTO / Thai Rescue Team /Handout
AFP PHOTO / Thai Rescue Team /Handout

Imagem de bebê chorando resgatado após ruptura de represa se torna símbolo da tragédia no Laos

Criança passou vários dias sem comer, agarrada a sua mãe em cima de uma árvore; ela foi resgatada com um grupo de sobreviventes por socorristas tailandeses

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2018 | 13h34

VIENTIANE, LAOS - As imagens do choro de um bebê resgatado das águas torrenciais liberadas pela ruptura de uma represa na segunda-feira 23 no Laos se tornaram um símbolo das vítimas de uma catástrofe que deixou ao menos 27 mortos e 130 desaparecidos. O vídeo, divulgado nesta sexta-feira, 27, foi feito pelos socorristas tailandeses que resgataram a criança, que passou vários dias sem comer agarrada a sua mãe, em cima de uma árvore cercada por água e barro.

Depois de serem difundidas pela cadeia local ABC, as imagens circularam pelo Facebook, onde foram compartilhadas por milhares de usuários. "Obrigada do fundo do coração à Tailândia por sua ajuda", afirma o comentário sob o vídeo. Nestas imagens, aparece a equipe de socorristas tailandeses que inspecionavam a zona em torno da aldeia de Xaydonkhong, onde desapareceram 15 pessoas.

Os socorristas desceram do barco, e um deles avança pela água até a árvore e, com extremo cuidado, resgatam o bebê que chora e sua mãe. "Finalmente, conseguiram encontrar as 14 pessoas, entre as quais havia quatro homens, seis mulheres (uma delas grávida) e quatro crianças", informaram os socorristas tailandeses em um comunicado.

"Estavam cansados e famintos depois de quatro dias sem comer", acrescentaram. Além de dar comida, retiraram os resgatados de barco e os deixaram com militares laosianos para serem transferidos para um hospital. "Todos estavam em uma cabana no alto de uma colina onde cultivavam o terreno. Mas a água subiu tão depressa que não tiveram tempo de pensar e começaram a correr", contou o socorrista tailandês Kengkard Bongkawong.

"Encontramos três famílias, que conseguiram comer brotos de bambu. Mas não tinham comida suficiente para todos e estavam famintos", acrescentou Bongkawong. "A criança chorava e estava apavorada. Todos tinham medo da água. Quando começou a chover, entraram em pânico", completou.

Com mais essa história emocionante, os habitantes da localidade intensificaram suas acusações contra as autoridades por tentar minimizar o balanço de 27 mortos, quatro dias depois do início das tarefas de busca e resgate de 130 desaparecidos. A ruptura da represa hidroelétrica na segunda fez milhões de toneladas de água inundarem a região do sul do Laos, chegando até mesmo ao vizinho Camboja. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.