Imagem dos EUA melhorou com Obama, revela pesquisa

A popularidade do presidente Barack Obama melhorou a imagem dos Estados Unidos no exterior, apesar de a desconfiança persistir entre os muçulmanos, revela uma pesquisa do Centro de Pesquisa Pew divulgada hoje. Conforme o levantamento, houve uma melhora considerável em diferentes partes do mundo e o único país onde a imagem do país piorou foi Israel. Para compor a sondagem, foram ouvidas quase 27.000 pessoas em 25 países, entre eles o Brasil. Desde a eleição de Obama, no fim do ano passado, a visão positiva em relação aos EUA vem avançando e atualmente já se encontra na situação anterior à posse de George W. Bush, em 2001, segundo a pesquisa.

AE-AP, Agencia Estado

23 de julho de 2009 | 18h39

O relatório do Pew Center descobriu que em 21 dos países pesquisados, uma média de 71% dos participantes tinham alguma confiança na maneira como o presidente dos Estados Unidos trata os assuntos mundiais. Em 2008, quando Bush estava na Casa Branca, os dados referentes a esses mesmos países chegavam a apenas 17%. Segundo o Pew, as mudanças mais profundas ocorreram no Oeste da Europa, principalmente na França e Alemanha, onde a confiança em Obama supera a demonstrada no presidente francês Nicolas Sarkozy e na chanceler alemã Angela Merkel. Além disso, a impressão favorável em relação aos Estados Unidos subiu 10 pontos porcentuais em 11 países no último ano, dentre eles nações da América Latina, África e Ásia, em sua maioria por causa da eleição de Obama, informou o Pew.

Durante o governo Bush, a imagem dos EUA no exterior despencou, mais precisamente depois da invasão do Iraque, em 2003, por causa da percepção generalizada de que a chamada "guerra ao terrorismo" tinha como alvo específico os muçulmanos.

"A imagem dos Estados Unidos melhorou consideravelmente na maior parte do mundo, reflexo de uma confiança global em Barack Obama", analisa o Centro Pew em sua Pesquisa Global de Atitudes. A melhora pode ser atribuída "muito mais à confiança pessoal em Obama do que à opinião das pessoas sobre temas específicos", sustenta o Centro Pew no relatório. Ao mesmo tempo, várias políticas específicas de sua administração atraíram aprovação universal, dentre elas a promessa de Obama de fechar a prisão para suspeitos de terrorismo na Baía de Guantánamo, em Cuba, e um prazo para a retirada de tropas norte-americanas do Iraque, segundo a pesquisa.

Ainda assim, a pesquisa mostrou níveis de profunda desconfiança sobre a influência dos Estados Unidos entre muçulmanos, particularmente na Turquia, Paquistão e nos territórios palestinos. Nesses locais, diz o relatório, "a animosidade em relação aos Estados Unidos continua profunda e constante". A postura em relação aos Estados Unidos também melhorou um pouco entre os aliados Egito e Jordânia e registrou alguma melhora após o discurso de Obama ao mundo muçulmano, feito no Cairo em 4 de junho. Mas os palestinos parecem não terem sido tocados e os israelenses não ficaram impressionados, segundo a pesquisa.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABarack Obamapopularidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.