Imagens chocantes tiradas com celular invadem portais de notícia

Agências compram fotos postadas em redes sociais com cenas explícitas das vítimas; internautas reclamam

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2012 | 03h05

Na era dos smartphones e das redes sociais, as imagens de uma chacina no centro de Manhattan multiplicaram-se em segundos e em escala global. Várias cenas chocantes, registradas por nova-iorquinos comuns ou turistas em seus celulares, foram parar em portais de notícias, incluindo uma impressionante imagem da vítima, com o sangue correndo pela calçada, no site do New York Times, que publicou um texto em outra página justificando o uso da imagem.

No Twitter e Facebook, leitores do mais famoso jornal do mundo criticaram a decisão de publicar a foto, tirada pelo empresário Sam Gerwitz, que trabalha no mesmo prédio da vítima. "Dez minutos após o tiroteio, estiquei meu braço para fora da janela, com meu iPhone em mãos, e apertei a tela. A foto da capa do New York Times foi tirada sem ver", disse Gerwitz ao blog On the Media.

Brendan Gunn, que estava no prédio do outro lado da rua, também registrou da janela o corpo no chão com o rastro de sangue. A imagem foi comprada e distribuída pela Associated Press.

Em um outro caso polêmico, uma foto de uma das pessoas atingidas recebendo socorro foi postada pelo usuário mr_mookie na rede social Instagram. A legenda embaixo da imagem dizia, em tradução livre, "atiraram nele, vou fazer você ver; o cara levou um tiro!!!"

Os primeiros comentários na página de mr_mookie criticavam-no por ter fotografado a vítima em vez de ajudá-la. Em seguida, vinham ofertas de interessados em comprar a imagem. Poucas horas depois, a imagem era distribuída por uma agência de notícias, explicando que a foto fora feita por um usuário do Instagram".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.